dicas e novidades

Casa do Rio Vermelho celebra centenário de Zélia Gattai

Programação acontece durante este mês de julho e engloba exposição, sarau e apresentação de teatro no memorial

Em celebração pelos 100 anos de nascimento da escritora Zélia Gattai, completados no último dia 2, a Casa do Rio Vermelho – memorial requalificado com apoio da Prefeitura na antiga residência em que viveu com o também escritor Jorge Amado, na Rua Alagoinhas – promove uma programação especial durante todo este mês de julho. As ações foram iniciadas no último dia 2 com a filha do casal e também escritora Paloma Amado recepcionando os visitantes e realizando o pré-lançamento do livro “Pituco”. Demais atividades prosseguem até o dia 31.

 

De terça a domingo, das 10h às 17h, o público pode conferir a exposição temporária dos vestidos de Zélia Gattai e da mesa de trabalho. Aos sábados (dias 9, 16, 23 e 30), das 15h30 às 17h30, acontece o Sarau com atores e músicos baianos, capoeiristas e dançarinos, além da apresentação do “Perfil Zélia”, com Aninha Franco e Rita Assemany.

 

Já aos domingos (dias 10, 17, 24 e 31), às 11h, os visitantes podem conferir o “pocket” da peça de teatro “Na Casa do Rio Vermelho – O Amor de Zélia e Jorge”, com a atriz Luciana Borghi e direção e texto de Renato Santos. A entrada para a Casa do Rio Vermelho custa R$20 (inteira) e R$10 (meia para estudantes e idosos). Crianças até 6 anos não pagam.

 

Memorial – A casa de número 33 da Rua Alagoinhas, em Rio Vermelho, foi a residência do casal de escritores Jorge Amado e Zélia Gattai desde a década de 1960, quando adquirida com o dinheiro da venda dos direitos do livro “Gabriela, Cravo e Canela” pelo autor. Depois de 11 anos fechado, o local passou por completa requalificação promovida pela Prefeitura, com participação da Fundação Casa de Jorge Amado e da própria família dos escritores, passando a abrigar o memorial desde novembro de 2014, sendo o ambiente aberto à visitação.

 

A área de mais de mil metros quadrados conta com riqueza de detalhes a vida de Jorge e Zélia em diversos ambientes, incluindo o jardim onde as cinzas do casal estão depositadas. Dentre os espaços estão o “Roda de Conversa”, onde cinco telas exibem vídeos de até 15 minutos com depoimentos de personalidades, amigos e familiares. Outros ambientes

foram batizados com diversas temáticas. Mais informações também podem ser obtidas pelo site casadoriovermelho.com.br.

 

Perfil da escritora – Nascida em São Paulo em 2 de julho de 1916, Zélia Gattai Amado de Faria era filha de imigrantes italianos e se destacou como escritora, fotógrafa e memorialista, tendo também grande participação na militância política nacional durante quase toda a vida. Leitora de Jorge Amado, conheceu o escritor baiano em 1945 e casaram-se poucos meses depois, numa união que durou até a morte de Jorge, em 2001. Durante esse período, trabalhou ao lado do marido nos processos de datilografia e revisão das obras, além de ter vivido na França e na antiga Checoslováquia, após perda do mandato de deputado federal do esposo e exílio da família, tempo em que começou a fotografar. Na década de 1960 a família retornou ao Brasil e passou a viver, em seguida, na casa do Rio Vermelho.

 

O primeiro dos 17 livros foi escrito aos 63 anos, “Anarquistas, Graças a Deus”. Em 1984 recebeu o título de cidadã de Salvador e, em 2001, foi eleita para a Academia Brasileira de Letras para a cadeira 23, que antes era ocupada pelo marido. A escritora teve três filhos: Luís Carlos, do primeiro casamento com Aldo Veiga, e João Jorge e Paloma, com Jorge Amado. Faleceu em Salvador em 17 de maio de 2008, aos 91 anos.

 

FONTE: AGECOM - ASSESSORIA GERAL DE COMUNICAÇÃO DA BAHIA

tags